Site Overlay

Controle financeiro: veja 5 dicas para deixar as contas no azul em 2022

O ano de 2021 foi marcado por diminuição da renda das pessoas de uma maneira geral, com inflação subindo e desemprego elevado. Nesse cenário, criar um bom controle financeiro pessoal em 2022 é um objetivo importante para muitos consumidores.

O endividamento das famílias subiu com força em 2021. Quase metade do que as pessoas ganham ao longo de um ano já sai comprometida com dívidas que foram feitas. Dados do Banco Central mostram que em setembro o indicador que mede o endividamento estava em 49,4%. Esse número significa a relação percentual entre o saldo das dívidas das famílias em um determinado mês e a renda acumulada em doze meses.

Já a inadimplência atinge 63,4 milhões, segundo dados de outubro de 2021 divulgados no início de dezembro pela Serasa Experian. É o maior índice registrado desde julho de 2020.

Ilustração de gráfico mostrando endividamento das famílias em 2021.

Uesley Lima, analista e educador financeiro, afirma que, para manter o endividamento em níveis saudáveis ou até mesmo sair de uma situação de inadimplência, “é preciso tratar as nossas finanças pessoais como uma empresa, com controle total do quanto entra, e sai da sua conta”.

5dicas de Lima para melhorar o planejamento financeiro em 2022:

O educador financeiro Uesley Lima dá dicas para fazer um bom controle financeiro pessoal (foto: divulgação)O educador financeiro Uesley Lima dá dicas para fazer um bom controle financeiro pessoal (foto: divulgação)

Faça o seu diagnóstico financeiro

O especialista recomenda que o consumidor “comece fazendo uma análise categórica das suas finanças”. A recomendação é organizar em uma planilha de controle financeiro pessoal, incluindo as fontes de renda – do salário até outras receitas -, e os gastos fixos. “Assim, você terá uma ideia do seu balanço mensal, isto é, se você está fechando os meses no vermelho ou com um saldo positivo”, diz Lima.

Evite fazer novas dívidas

Evitar o acúmulo de novas dívidas é outro ponto fundamental para colocar a saúde financeira nos trilhos, aponta o especialista. Neste caso, recomenda-se fugir do uso exacerbado de cartões de crédito e, principalmente, do cheque especial. “O ideal é priorizar as compras à vista, para assim, impedir o efeito bola de neve do endividamento”, afirma Lima.

Elimine ou diminua as despesas supérfluas

Para sair da crise, diminuir as despesas não necessárias é apontado como um passo essencial. “O importante é se manter focado nas suas prioridades atuais. O pensamento a longo prazo será o seu maior aliado. À medida em que suas contas estiverem mais balanceadas, será possível melhorar o seu padrão de vida, e logo você poderá comprar o que tanto deseja”, aconselha Lima.

Renegocie suas dívidas

“Feito o seu diagnóstico financeiro e o enxugamento das suas despesas, é hora de organizar-se a respeito do quanto você deve aos credores, e como pagá-los”, ensina o especialista, acrescentando que “neste ponto, é fundamental que você tenha consciência plena dos valores viáveis dentro do seu orçamento mensal, e é preciso deixar clara a sua real situação financeira“. Isso porque “assumir parcelas mais altas do que o previsto nos gastos mensais é um erro que pode comprometer tudo o que você havia organizado até então”. 

Pense a longo prazo

Lima afirma que “priorizar o pensamento a longo prazo dentro do seu plano de ação para enfrentamento da crise só irá te proporcionar vantagens posteriormente”. “Sempre que puder, lembre-se de poupar um pouco mais e até investir seu dinheiro. Planejar o seu futuro é um investimento para melhorar a sua qualidade de vida, e este planejamento prévio irá te proporcionar benefícios não somente financeiros, mas um bem-estar pessoal impagável.”

Para o analista e educador financeiro, “o principal problema do brasileiro é comprar sem ter o dinheiro”, o que leva a situações como descontrole com o cartão de crédito e cheque especial.

“Se você começar a planejar seu futuro baseando-se em grandes sonhos, como comprar uma casa, ou um carro melhor, você precisa deixar de gastar de imediato, e economizar para gastar melhor no futuro, em alguma coisa que vá gerar muito mais prazer para você e sua família. Então, é preciso se programar”, completa Lima.

Veja também