Site Overlay

Copom eleva Selic a 9,25% ao ano e indica nova alta de 1,5 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou nesta quarta-feira (8) sua decisão de elevar a taxa Selic a 9,25% ao ano, em uma alta de 1,5 ponto percentual. Foi o 7º avanço seguido, levando a taxa ao maior patamar desde 2017. A decisão foi unânime.

A elevação veio em linha com o esperado pelo mercado. O Banco Central tem endurecido o ritmo de aperto da Selic em meio à alta da inflação. O último Boletim Focus mostrou que o mercado elevou mais uma vez a projeção para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) tanto em 2021 quanto para 2022, prevendo o estouro do teto da meta do BC nos dois anos.

Selic

Segundo o Copom, para a próxima reunião, que acontece em 2022, a previsão é de outro ajuste da mesma magnitude. “O Copom enfatiza que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados para assegurar a convergência da inflação para suas metas, e dependerão da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação para o horizonte relevante da política monetária”, reiterou em comunicado.

O resultado mais recente do IPCA, de outubro, mostra que a inflação acumulada em 12 meses é de 10,67% – bem distante da meta de 3,75% do BC, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Com a elevação da Selic para 9,25% ao ano, os investimentos em renda fixa atrelados ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário) passam a render mais. O InvestNews consultou o mercado para entender o novo cenário. Veja como ficam as aplicações

Veja também

Com Selic maior, Brasil só perde da Turquia em ranking de juros reais