Site Overlay

Não é só inflação: por que o preço do carro zero está bem maior que há 10 anos

Há 20 anos, o consumidor que quisesse comprar o “carro zero” teria que desembolsar, no mínimo, R$ 12 mil pelo modelo mais barato na época. Já há 10 anos, um veículo novo não saía por menos de R$ 23 mil. Corrigindo pela inflação, os preços seriam o equivalente a R$ 38 mil e R$ 39 mil em valores de hoje, respectivamente – insuficiente para comprar o modelo zero mais barato agora, que custa aproximadamente R$ 48 mil. 

Em outras palavras: quem quer comprar carro zero hoje precisa de poder aquisitivo maior que há 10 ou 20 anos. Veja o comparativo abaixo:

Preço de carros populares ilustrado com gráficosPreço de carros populares

A aceleração de preços ganhou força recentemente. E, olhando para o avanço do preço de carros nos últimos meses, é possível perceber que o fenômeno tem forte relação com a pandemia de covid-19. 

Segundo dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV), os preços dos carros zero vinham desacelerando gradativamente nos anos anteriores à pandemia, em um avanço abaixo da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC). Até que, em abril de 2020, os valores de veículos novos passaram a subir acima da inflação e deram início à disparada que não perdeu força até agora. 

Em 12 meses até setembro de 2021, o preço de carros novos acumula alta de 10,74% – acima dos 9,19% da inflação pelo IPC.

Preço de carros novos, carros usados e inflação ilustrado por gráficosPreço de carros novos, carros usados e inflação

Quanto custa um carro popular hoje?

Um modelo de entrada hoje custa mais caro que há 10 ou 20 anos – e há quem diga até que o conceito de “carro popular” está perto do fim, já que não há veículos tão baratos disponíveis no mercado como havia há alguns anos.

Segundo um levantamento feito pelo site especializado Primeira Marcha, o modelo zero mais barato em 2001 era o Fiat Uno, que custava na época cerca de R$ 12 mil. Corrigindo esse valor pela inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o carro valia cerca de R$ 38 mil em valores de hoje. Em 2011, o veículo novo mais em conta era outro modelo do Fiat Uno, que saía por cerca de R$ 23 mil – o que equivale a R$ 39 mil em valores atuais, aproximadamente.

Essas quantias não chegam aos preços mais baixos de carro zero no mercado atualmente (ou, em outras palavras, dos carros populares mais baratos). Os preços iniciais dos modelos Fiat Mobi e do Renault Kwid ficam perto de R$ 48 mil.

Fiat Mobi vermelho (Foto: Divulgação)Fiat Mobi (Foto: Divulgação)

Por que o preço de carros subiu tanto?

A forte alta dos preços do carro zero nos últimos meses tem dois grandes culpados. Primeiro, a alta do dólar no começo da pandemia encareceu os custos de produção. Depois, a redução da oferta mexeu fortemente com o setor de veículos.

Não é novidade que o mercado automotivo no mundo todo enfrenta dificuldades para fabricar novos carros. A falta de semicondutores para atender à demanda da indústria, que tenta se reajustar após a pandemia, ainda não foi solucionada. Esses itens são responsáveis pela produção de chips para produtos como celulares, computadores e, claro, carros. 

Olho nos carros usados

Enquanto faltam carros novos no mercado por causa da escassez de chips, os consumidores voltaram as atenções para os produtos disponíveis: os usados. E essa alta da procura fez os preços dos veículos usados dispararem.

Entre 2019 e 2020, os preços dos carros usados passaram quase 1 ano em queda nominal. Agora, acumulam um avanço de 8,1% em 12 meses, segundo a FGV. Há inclusive carros usados sendo vendidos acima do que seria o valor de mercado. O modelo Hyundai Tucson de 2018, por exemplo, terminou setembro sendo comercializado a um valor 33% acima da tabela Fipe, referência do mercado, segundo a plataforma da InstaCarro. 

“Exatamente por causa da escassez de carros novos, o consumidor tem procurado um seminovo ou usado para suprir as suas necessidades. Aqui na InstaCarro percebemos modelos com valorização considerável no último mês”, disse em nota o CEO e fundador da startup, Luca Cafici. 

Veja abaixo os modelos usados mais valorizados, segundo a InstaCarro:

Marca Modelo Ano Valorização em relação à tabela Fipe (em %) HYUNDAI TUCSON 2018 33,5 CHEVROLET TRACKER 2021 12,88 MITSUBISHI L200 TRITON 2018 10,32 MERCEDES-BENZ GLA 250 2015 9,58 VOLKSWAGEN FOX 2022 8,74 FIAT MAREA 2002 8,58 VOLKSWAGEN SAVEIRO 2015 8,03 VOLKSWAGEN POLO 2020 7,9 VOLKSWAGEN CROSS UP 2019 7,52 FIAT STRADA 2021 7,4

Populares mais caros: além da pandemia

Mas, a despeito do aumento do preço de carros na pandemia, chama a atenção o encarecimento dos carros de entrada novos, os chamados “carros populares zero”, ao longo dos anos. 

O coordenador dos cursos da Área Automotiva da FGV Educação Executiva, Antônio Jorge Martins, aponta que esse fenômeno ficou ainda mais intenso nos últimos 2 anos especialmente por uma estratégia das montadoras baseada em 2 pilares: conectividade e motorização elétrica

“É onde o setor está investindo de forma mais significativa”, aponta Martins, acrescentando que “o que as montadoras mundiais estão buscando é geração de lucro e de caixa”. E, num mercado que está tentando alcançar a realidade de carros elétricos e autônomos, modelos mais simples como os carros populares se tornam investimentos menos estratégicos para as empresas, ainda que sejam (a princípio) mais baratos. O “xis” da questão então, explica Martins, é “onde o mercado está querendo chegar”. 

Veja também