Site Overlay

‘O golpe tá aí, cai quem quer’: 5 dicas para fugir de ciladas ao investir

A Ancord (Associação Nacional da Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias) lançou em novembro o “Guia para investir sem cair em ciladas”, um alerta para golpes financeiros. O material faz parte da segunda fase da campanha publicitária e educacional “Invista com Segurança”.

Iniciada em maio deste ano, a ação tem como objetivo combater a desinformação e alertar o público quanto às fórmulas mágicas para ganhar dinheiro fácil e rápido na hora de investir, bastante comuns nas redes sociais.

Um alerta importante é que somente instituições autorizadas a operar pelas entidades reguladoras e autorreguladoras, como é o caso do Banco Central do Brasil (BACEN) e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) podem distribuir ou intermediar produtos financeiros.

Além disso, os sites dessas entidades e da própria bolsa brasileira, a B3 (B3SA3), divulgam a relação de todas as instituições financeiras, corretoras, distribuidoras e agentes autônomos de investimentos autorizados a operar no sistema de distribuição de títulos e valores mobiliários. Se a empresa ou profissional que está oferecendo o produto financeiro não estiver em nenhuma das listas, a recomendação é correr da proposta.

Outro ponto importante: jamais o investidor deve compartilhar com outras pessoas seu acesso ao home broker (plataforma da corretora ou banco para negociação dos ativos) e é importante que os investimentos estejam de acordo com seu perfil. Outra orientação é acessar constantemente o extrato para acompanhamento de seus investimentos.

O guia alerta ainda que a CVM disponibiliza um canal de denúncias e reclamações para que o investidor faça sua queixa ou reclamação.

A BSM3 Supervisão de Mercados, que é uma empresa integrante do grupo B3 e constituída para realizar as atividades de supervisão dos mercados administrados pela bolsa, também disponibiliza em seu site um canal de denúncias sobre a atuação de profissionais do mercado, empresas listadas na bolsa e intermediários financeiros.

Confira abaixo dicas para identificar quando uma oferta de investimento pode ser um golpe:

Ostentaçao

Golpistas costumam se apresentar como figuras elegantes, simpáticas, e nas redes sociais aparentam ter grande patrimônio e carros milionários. A ostentação e o estereótipo de pessoa bem-sucedida, aponta a Ancord, têm um propósito: convencer as vítimas de que o método funciona.

A pesquisa da CVM, divulgada em julho, feita com pessoas que caírem em golpes financeiros aponta que quando questionados sobre quais aspectos que contribuíram para que caíssem, as respostas mais frequentes foram:

  • aparência do site transmitindo confiança (39,9%)
  • outros familiares/amigos já haviam feito o investimento (38,8%)
  • bom atendimento por parte dos profissionais (35,4%)
  • pequeno investimento exigido (30,9%)
  • desconhecimento da modalidade do golpe (24,7%)

Oportunidade única

Em geral, a oportunidade de investimento é sempre apresentada como “única” pelo golpista. Expressões como “tempo limitado” são uma tentativa sútil de apressar o depósito das vítimas, segundo a Ancord. Por isso, a associação alerta que os investimentos devem ser estrategicamente planejados. Pensar desta forma pode ajudar a evitar golpes.

Rentabilidade elevada

Opções que oferecem rentabilidades muito acima do mercado e com garantia de baixo risco são altamente suspeitas. O guia alerta que por mais tentadora que a proposta possa parecer, o investidor deve ter em mente que no mercado financeiro não existe retorno 100% garantido, principalmente em produtos de renda variável;

Pouca informação sobre o produto

Verifique se foram disponibilizados folhetos, prospectos, lâminas com informações detalhadas sobre o ativo financeiro que está sendo oferecido. Se o produto não tiver informações à disposição do investidor, é um motivo para desconfiar.

Renda vitalícia

Quando o anúncio oferecer rendimentos contínuos ou uma possibilidade de viver de renda, considere que a proposta pode ser apenas um artifício utilizado pelos golpistas para atraí-lo. É possível viver de rendimentos financeiros, mas para isso ocorrer o investidor deve possuir um volume considerável de recursos aplicados, o que normalmente não ocorre do dia para a noite.

Veja também

Golpes com criptomoedas: como reconhecer as principais armadilhas