Site Overlay

Vale a pena comprar Shiba Inu, a criptomoeda ‘concorrente’ do Dogecoin?

O cachorrinho de raça japonesa mais conhecido como Shiba Inu ganhou espaço entre os investidores de criptoativos. O token da Shiba Inu (SHIB) chegou a saltar mais de 30% na última semana, após a corretora Kraken, uma das maiores do segmento de criptomoedas, anunciar que a ela agora integra seu portfólio de negociação.

No Brasil, um movimento semelhante ocorreu com o Mercado Bitcoin, corretora de criptoativos que anunciou a listagem da Shiba Inu. Segundo a exchange, a criptomoeda está disponível para o investidor agora em dezembro. “Por conta da sua volatilidade, é uma boa opção para quem tem sangue-frio e quer aproveitar as oscilações para ganhar dinheiro”, apontou.

Embora custe centavos de dólar, muitos analistas ainda são descrentes quanto aos fundamentos da criptomoeda no longo prazo. Para alguns, não passa de um memecoin – criptoativo inspirado em um meme. Para outros, é uma alternativa de especulação na qual investe-se pouco e pode-se ganhar muito no caso de um pico de valorização.

Mas será que a Shiba Inu (SHIB) vale o risco? O InvestNews entrevistou três especialistas em criptomoedas: Helena Margarido, analista de criptomoedas da Monett; Raquel Vieira Gomes, especialista de criptomoedas da Top Gain e Nicolas Farto, especialista em renda variável da Renova Invest. Veja a seguir as considerações:

O que é a criptomoeda Shiba Inu?

A Shiba Inu nasceu em agosto de 2020 se apresentando como a “Dogecoin Killer” (matadora da Dogecoin, do inglês). Foi inspirada na Dogecoin (DOGE) com o propósito de ser sua concorrente, popular entre pequenos investidores. A cripto foi criada por um grupo ou pessoa anônimo chamado Ryoshi.

Segundo Raquel Vieira Gomes, da Top Gain, esse é um dos motivos pelos quais a criptomoeda tem como protagonista o mesmo cachorrinho japonês, da raça Shiba, que aparece no ativo.

“É a mesma raça do cachorro que aparece na Dogecoin, mas na Shiba, a ideia era ter a continuação dele, como se fosse o mesmo cachorro, porém de raça pura”, explica Helena Margarido, analista de criptomoedas da Monett.

Helena cita que a Shiba Inu é um token emitido na rede Ethereum. A criptomoeda pertence a categoria de memecoin, ou seja, para fins de diversão e criadas a partir de um meme.

Para que serve a Shiba Inu?

Diferente de outras criptomoedas que surgem com o objetivo de solucionar algum problema no mundo real, a Shiba Inu não nasceu com um propósito concreto, explica Raquel, da Top Gain. “Ela veio para ser ligada ao divertimento”, diz.

No entanto, a Shiba não possui um propósito disruptivo e, segundo Nicolas Farto, especialista em renda variável da Renova Invest, pode ser uma alternativa para fins especulativos e investidores que buscam valorização com custo baixo.

Quanto vale 1 Shiba Inu?

Apesar de ter uma torcida engajada e animada de investidores, a Shiba Inu (SHIB) não possui um valor elevado. A criptomoeda custa menos do que 0,01 centavo de dólar.

Segundo dados do CoinMarketCap, na noite do dia 1º de dezembro, a Shiba Inu negociava a 0,00004308 centavos de dólar. O valor representa R$ 0.000245 em moeda brasileira por cada Shiba Inu.

Raquel Vieira, da Top Gain, explica que o preço da criptomoeda é baixo por causa do elevado número de tokens disponíveis no mercado. Atualmente, existe 1 quatrilhão de unidades, o que não gera escassez do ativo. Em consequência, o preço fica bem baixo.

Por causa do valor reduzido, a criptomoeda também apresenta forte volatilidade. “Qualquer mudança representa para a Shiba Inu uma variação percentual muito grande”, afirma Farto, da Renova Invest.

Valorização: Shiba Inu vai chegar a US$ 1?

Por se tratar de um ativo que não é escasso, com muitos tokens disponíveis, os especialistas consultados pelo InvestNews são descrentes sobre a possibilidade da Shiba Inu superar o preço de US$ 1 por ativo.

Para Raquel Vieira, é impossível que a Shiba Inu chegue um dia a bater US$ 1. Helena Margarido pensa da mesma forma e acredita que, se um dia a Shiba Inu superar essa marca, será apenas fruto de um movimento especulativo.

Já Nicolas Farto é mais otimista e acredita que essa valorização vai depender da aceitação do mercado e dos investidores, puxada inclusive por pessoas famosas como Elon Musk, que no passado já chegou a tuitar sobre a criptomoeda. “Ela pode atingir US$ 1, mas é algo incerto e que depende de muitos fatores”, reforça.

Shiba Inu x Dogecoin

Para Helena Margarido, da Monett, existem algumas diferenças claras entre estas memecoins. Ela explica que a Dogecoin (DOGE) é um criptoprotocolo, o que significa que possui uma blockchain própria, um sistema de mineração e a emissão da criptomoeda é infinita.

Já a Shiba Inu (SHIB) é um token emitido dentro da rede Ethereum. Não possui um nome por trás do projeto, nem um propósito. “É apenas um meme”, cita Helena. “Entre as duas, a dogecoin é menos ruim porque tem um criptoprotocolo e um algoritmo que pode ser alterado. A Shiba Inu nunca vai sair disso”, defende a analista da Monett.

Para Farto, da Renova Invest, a Dogecoin herdou características da blockchain do bitcoin, entre elas pouco esforço computacional para resolver os blocos e armazenar transações, enquanto a Shiba Inu, por se encontrar na rede Ethereum, ganhou uma amplitude de aplicações com menos limitações.

Por exemplo, a possibilidade de desenvolver projetos como uma corretora descentralizada própria, o mercado de NFTs (token não fungível), uma carteira da Shiba e outras oportunidades que estão no radar.

Apesar das diferenças e semelhanças os números não mentem, aponta Raquel, da Top Gain. Olhando apenas para capitalização de mercado, a DogeCoin (DOGE) ocupa a décima posição entre as maiores criptomoedas, enquanto a Shiba Inu (SHIB) está na décimo terceira, segundo dados do CoinMarketCap no dia 1º de dezembro.

Shiba Inu vale a pena ou é furada?

Os especialistas consultados pela reportagem concordam que a Shiba Inu é um investimento especulativo, que não possui fundamentos plausíveis por trás, como em outras criptomoedas.

Por esta característica, Raquel Vieira, da Top Gain, enxerga o ativo como alternativa para o investidor que espera ganhar com a valorização em um curto período de tempo. “A moeda já chegou a valorizar mais de 100% em uma semana, você investe esperando pegar um desses picos de alta”, explica a especialista.

Já Farto, da Renova Invest, acredita que a criptomoeda possa ter sustentabilidade no longo prazo devido ao seu estoque limitado de 1 quatrilhão de unidades, diferente da concorrente dogecoin, que é infinita.

O que muda para Shiba Inu após entrar na Kraken

Quando uma criptomoeda é listada em uma exchange, o acontecimento costuma ser acompanhado de uma forte valorização do ativo, por causa do aumento de liquidez.

Para as especialistas consultadas, é o que ocorreu após a exchange Kraken listar a Shiba Inu. “A criptomoeda ganha um maior volume de negociação que pode afetar seu preço no curto prazo”, aponta a especialista da Top Gain.

Já no longo prazo, nada muita além da visibilidade, segundo Helena, analista da Monett, o fator dos investidores ter mais acesso ao ativo não muda nada nos fundamentos. “Continua sendo uma memecoin que não serva para nada”, destaca.

Riscos e vantagens de investir em Shiba Inu

Para Helena Margarido, o principal risco de investir em Shiba Inu (SHIB) é a falta de fundamentos do criptoativo, que pode valer zero no futuro. A analista é descrente de que a SHIB possa valer muito dinheiro no futuro.

Já Raquel Vieira alerta que, por se tratar de uma memecoin, quando passar de “moda” no mercado de criptoativos, pode chegar a valer nada ou próximo disso.  

Contudo, para o investidor que gosta de especulação, é possível se beneficiar com picos de valorização a partir de um pequeno investimento. “Você consegue ter muito lucro no curto prazo”, cita.

Farto enxerga que a falta de um projeto inovador por trás inibe grandes evoluções para a criptomoeda. Ele também cita que a Shiba Inu se valorizou por causa de pessoas famosas falando dela, como Elon Musk, e pela concorrência com a Dogecoin. Contudo, isso pode machucar o mercado, se os investidores passarem a vender os ativos, derrubando o preço da criptomoeda.

“É importante tomar cuidado com o tamanho da locação, nunca fazer aportes relevantes até que se prove que o projeto está consolidado”, aconselha.

O que esperar da Shiba Inu em 2022?

Helena, da Monett, acredita que em 2022 a Shiba Inu deve despencar após a moda passar e os investidores perceberem da falta de fundamentos da criptomoeda. “Qualquer dinheiro que você gastar em Shiba Inu é mal gasto”, destaca.

Ela aconselha ao investidor olhar criptomoedas promissoras e ativos mais consistentes, como bitcoin, ethereum, solano, polkadot, binancecoin e cardano.

Para Raquel, da Top Gain, 2022 ainda deve trazer alguns picos de valorização para Shiba Inu, mas reforça que o investimento é 100% especulativo.

Farto parece estar mais confiante, por causa da listagem na Kraken que pode aumentar a receptividade do mercado. Ele também cita projetos no mercado de NFTs, criação de uma corretora descentralizada, que devem favorecer a Shiba Inu. “O projeto é bastante descentralizado, muitas decisões estão nas mãos dos investidores”, cita.